• Prof. Carlos Augusto Pereira dos Santos Possui Graduação em ESTUDOS SOCIAIS pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (1990), Mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2000) e Doutorado em História Do Norte e Nordeste do Brasil pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2008). Atualmente é Professor da UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU - UVA. Leciona as disciplinas de Historiografia Brasileira e História do Brasil I e II. É tutor do Programa de Educação Tutorial - PET HISTÓRIA/UVA. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: militancia comunista, ditadura, cotidiano, cultura e trabalhadores urbanos. conheça o grupo de pesquisa Cidade, Trabalho e Poder. Clique Aqui
Posted by Carlos Santos 0 comentários


Última curva do mestre

Oscar Niemeyer faleceu nesta última quarta-feira (5), aos 104 anos, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, onde estava internado desde 2 de novembro

Mauro de Bias
6/12/2012
  • Niemeyer fundou a imagem do Brasil
    Niemeyer fundou a imagem do Brasil
    O nome dispensa maiores apresentações. Basta ouvir falar e logo já se faz alusão às grandes obras do mestre. Ele fundou uma imagem do Brasil e elevou ao máximo a expressão de sua arte. Tão ao máximo que, com ela, ajudou a fazer surgir do meio do nada a capital do país. Oscar Niemeyer se foi, neste dia 5 de dezembro de 2012, aos 104 anos, após deixar para o Brasil um grande legado.

    Nascido em 1907, o arquiteto se envolveu com os princípios do movimento modernista desde cedo. Aos 29 anos, já participava do projeto de construção do prédio do MEC, na antiga capital brasileira, Rio de Janeiro. A obra ainda refletia, segundo o professor de arquitetura da PUC-Rio João Masao Kamita, um Modernismo mais ligado ao que se fazia fora do país. Um indício disso seria a consultoria prestada pelo arquiteto franco-suíço, Le Corbusier.
    O Modernismo nasceu em um contexto de industrialização e racionalidade. O movimento reivindicava uma racionalização da arquitetura. A forma deveria ser criada priorizando a funcionalidade, de maneira direta, sem enfeites ou ornamentação. A noção de design e de formas limpas, trazida especialmente pela escola alemã Bauhaus, foi um dos motores da ação dos artistas.
    Com o tempo, Oscar Niemeyer tentou incorporar os preceitos a outros elementos, desta vez, nacionais, para a construção de um Modernismo brasileiro. Nessa busca, foi imprimindo formas tão próprias, tão peculiares, que se tornaram sua marca registrada. “O traço dele é muito individual. Ninguém consegue extrair dali algum exemplo para fazer parecido, porque fica com cara de imitação”, afirma Kamita.
    Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha
    Igreja de São Francisco de Assis, na Pampulha
    Niemeyer teve dois grandes marcos na carreira. O primeiro deles, que o lançou para o mundo e mostrou que o Brasil tinha uma produção diferenciada na arquitetura, foi o Complexo da Pampulha, em Belo Horizonte, de 1942. Foram quatro construções - a Igreja de São Francisco de Assis, o Cassino, a Casa do Baile e o Iate Tênis Clube - que guardam até hoje grande valor artístico e histórico, com azulejos de Cândido Portinari e jardins de Roberto Burle Marx. Ambos foram parceiros dele em outros projetos.

    “A Pampulha foi a grande surpresa. Niemeyer mostrou como dominar a ideia de espaço, a forma moderna e produzir boa arquitetura”, comenta o professor. “Ele não só entendeu o que era a arquitetura moderna, como fez algo diferente. Foi um recado: ‘O Brasil consegue ser moderno sem imitar ninguém’. Esse foi o grande fenômeno”, observa Kamita.
    O segundo grande divisor de águas na carreira de Niemeyer foi a maior de suas obras: os edifícios que compõem Brasília. A capital do país destaca-se pela singularidade de ser a utopia máxima da arquitetura e do urbanismo. Uma cidade erguida no meio do nada e partir do nada com liberdade total de implementação de um modelo técnico e artístico.

    Não é unanimidade
    O professor da PUC-Rio afirma que, por mais que o arquiteto tenha sido, de fato, um gênio, não pode ser uma unanimidade. “Ele foi tão importante e tão marcante, que precisa ser objeto de estudos críticos, e não de aceitação passiva. Tem que ser discutido, debatido e questionado”. “Ninguém nega sua importância, mas isso não quer dizer que ele tenha sido perfeito. Foi um grande arquiteto, sim, mas não pode mistificar demais”, conclui o pesquisador.
    Gustavo Rocha-Peixoto, professor de Arquitetura da UFRJ, indica que Brasília é a imagem do país. “Niemeyer conseguiu juntar toda sua habilidade para inventar uma imagem do Brasil que se estabeleceu definitivamente. Um Brasil poderoso, otimista, pujante, ousado. É a própria imagem da República brasileira. É a imagem quase natural para se falar das grandes instituições, do Brasil republicano e capaz de inventar sozinho”, exalta o pesquisador.
    Brasília foi o segundo grande marco na carreira do arquiteto
    Para Rocha-Peixoto, o arquiteto foi mais que um inventor de formas. “Ele contribuiu para a invenção desse conceito da arquitetura moderna brasileira, não como um dado natural, mas criado. E ele é um dos criadores importantes dessa arquitetura. Teve habilidade, e as formas tiveram a virtude de serem aceitas como uma expressão do Brasil”, avalia o professor, que prefere não tentar definir quem foi Niemeyer. “Defini-lo é tarefa difícil, é o oposto de Niemeyer. Ele está fora das definições, além dos fins. Ele forçou os limites. Defini-lo seria como colocá-lo dentro de uma caixa. E o que ele fez a vida inteira foi mostrar que a arquitetura é mais do que caixas”, conclui.

    Comunista que era, Oscar Niemeyer teve uma fase na vida em que chegou a recusar diversos projetos para a iniciativa privada. Preferia trabalhar com governos, projetando prédios públicos, de uso democrático. E exemplos de museus, teatros, monumentos, praças e igrejas feitos pelo arquiteto não faltam no país. Entre suas obras mais importantes no mundo estão a sede da ONU, em Nova York, a sede do Partido Comunista Francês, em Paris, e a Universidade Mentouri de Constantine, em Argel.
    Fonte: Revista de História da Biblioteca Nacional

Categories:

0 Responses

Postar um comentário

Subscribe to My Blog

Subscribe Here

Visitates online

Você é o visitante Nº.:

Visitantes de outros países

free counters