• Prof. Carlos Augusto Pereira dos Santos Possui Graduação em ESTUDOS SOCIAIS pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (1990), Mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2000) e Doutorado em História Do Norte e Nordeste do Brasil pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2008). Atualmente é Professor da UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU - UVA. Leciona as disciplinas de Historiografia Brasileira e História do Brasil I e II. É tutor do Programa de Educação Tutorial - PET HISTÓRIA/UVA. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: militancia comunista, ditadura, cotidiano, cultura e trabalhadores urbanos. conheça o grupo de pesquisa Cidade, Trabalho e Poder. Clique Aqui
Posted by Carlos Santos 0 comentários


OS RESTOS MORTAIS DO EX-PRESIDENTE JOÃO GOULART E O JULGAMENTO DO "MENSALÃO". O QUE ESTES DOIS EVENTOS TÊM EM COMUM? CONFIRA ABAIXO INTERESSANTE ANÁLISE SOBRE OS EVENTOS REPUBLICANOS QUE UNEM PASSADO E PRESENTE PARA ENTENDERMOS A NOSSA HISTÓRIA RECENTE.



Foto: www.comissaodaverdade.rs.gov.br 


Nesta semana, comemora-se o 125º aniversário da Proclamação da República. Para além da efeméride, o 15 de novembro será precedido por dois eventos carregados de simbolismo e que traduzem o embate entre duas ideias de República.
Na quarta-feira (13), serão exumados, em São Borja (RS), os restos mortais do ex-presidente João Goulart, deposto pelo golpe de 1964. No dia seguinte, o corpo chega a Brasília e será recebido com honras de chefe de Estado pela presidenta Dilma Rousseff. Será a primeira vez que Jango, morto em 1976, retornará a Capital Federal, desde que foi afastado do poder.
No mesmo dia, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve concluir parte do julgamento da Ação Penal 470 (o julgamento do dito “escândalo do mensalão”) e pode expedir os primeiros mandados de prisão contra alguns dos réus.
Jango trará consigo o cortejo de todas as memórias do golpe, ainda em busca da verdade. O presidente que foi vilipendiado e tratado, entre tantas desqualificações, como corrupto, da mesma forma como fizeram com JK e, antes dele, com Getúlio Vargas, terá finalmente seu ato de desagravo republicano. Jango nos traz sobretudo a ideia de uma República que foi podada em sua luta por ampliar a democracia e promover desenvolvimento com inclusão social. É disso que se trata quando se fala de Jango e de República.
A segunda ideia de República, emanada pela decisão a ser tomada pelo STF, é a de que a política, quando transformada em mercado eleitoral e contaminada pela corrupção de suas práticas, distorce não apenas a representação parlamentar e governamental. Pior: desvirtua as funções do Estado quando associado a interesses privados escusos.
Essas duas ideias diferentes de República atravessam o debate político nacional, a todo momento. Seu confronto inspira a conclusão de que só uma agenda permanente de reformas de base, entre elas, a reforma das regras de nosso sistema eleitoral, é capaz de situar o debate político em nível elevado e talhar os representantes eleitos a estarem à altura de seu momento histórico, condizentes com as exigências de nossa cidadania e livres do autoritarismo que permanece à espreita.

Fonte: Boletim Fundação Perseu Abramo

Categories:

0 Responses

Postar um comentário

Subscribe to My Blog

Subscribe Here

Visitates online

Você é o visitante Nº.:

Visitantes de outros países

free counters