• Prof. Carlos Augusto Pereira dos Santos Possui Graduação em ESTUDOS SOCIAIS pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (1990), Mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2000) e Doutorado em História Do Norte e Nordeste do Brasil pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2008). Atualmente é Professor da UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU - UVA. Leciona as disciplinas de Historiografia Brasileira e História do Brasil I e II. É tutor do Programa de Educação Tutorial - PET HISTÓRIA/UVA. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: militancia comunista, ditadura, cotidiano, cultura e trabalhadores urbanos. conheça o grupo de pesquisa Cidade, Trabalho e Poder. Clique Aqui
Posted by Carlos Santos 0 comentários


Acompanhe abaixo, trechos da recente crítica feita pelo historiador Tony Judt à Eric Hobsbawm, principalmente por sua postura política. Tal crítica encontra-se no livro O Século XX Esquecido — Lugares e Memórias.


O humor inglês às vezes é tão refinado que não parece humor. Os historiadores ingleses, quando decidem surrar um “companheiro”, o fazem com a elegância de alguns humoristas. Parece que estão elogiando, quando, na verdade, estão demolindo. Porque falta, pelo menos entre os melhores intelectuais, o achincalhe (o linchamento). Não se usa a palavra “néscio” para arrolar os equívocos de um pesquisador. Mostram, detalhadamente, os supostos equívocos.
“Eric Hobsbawm e o romance do comunismo” é uma resenha-ensaio de 13 páginas publicada no excelente “O Século XX Esquecido — Lugares e Memórias” (Edições 70, 462 páginas, tradução de Marcelo Felix), do historiador inglês Tony Judt. Trata-se de uma crítica elegante, polêmica, cáustica e contundente.
Judt começa elogiando: “Hobsbawm é o historiador mais conhecido do mundo” e “escreve melhor” do que seus pares. “É um mestre da prosa inglês. Escreve história inteligível para um público que sabe ler. As primeiras páginas de sua autobiografia ["Tempos Interessantes”, 472 páginas, Companhia das Letras] são talvez as mais belas que Hobsbawm escreveu.”
O livro “Tempos Interessantes” foi resenhado de forma laudatória no Brasil. Por isso o texto de Judt é uma lição de crítica e, mesmo, coragem, porque está criticando um ícone, e com certa aspereza, apesar do respeito. “Falta alguma coisa. Hobsbawm não era só um comunista. Ele ‘continuou’ comunista durante sessenta anos. Não demonstra qualquer arrependimento. Ele insiste desassombrado que ‘o sonho da Revolução de Outubro ainda está algures dentro de mim’.” Judt não diz, nem precisa, que Hobsbawm é um dinossauro, ou pior do que um dinossauro, porque, embora fossilizado, é brilhante.
Judt pergunta: “Por que é que ainda parece acreditar que o preço em vidas humanas e sofrimento sob Stálin teria valido a pena caso os desfechos tivessem sido melhores?” Hobsbawm não responde adequadamente, porque, se o fizesse, teria de assumir, de frente, o stalinismo ou renegá-lo. “Ele consagra muito tempo a descrever as suas lealdades [ao comunismo], mas na verdade nunca as explica.”
A indiferença de Hobsbawm pelos crimes do stalinismo talvez seja explicada por uma questão pessoal, apontada por Judt: “Ele não se comove muito nem com os entusiasmos dos seus antigos camaradas, nem com os seus crimes. Outros deixaram o partido desesperados, por este ter significado tanto para eles; Hobsbawm foi capaz de ficar [no Partido Comunista] porque, pelo menos na sua vida quotidiana, ele significava tão pouco”.
Ao apontar Hobsbawm como “mandarim comunista”, Judt mostra o desprezo do intelectual-militante “pela classe servidora inculta, socialmente insegura mas economicamente ambiciosa, dos funcionários e vendedores”. “A classe britânica dos mandarins, nas universidades como na função pública, era com frequência atraída pela União Soviética (embora à distância): o que ali viam era o aperfeiçoamento, planeado a partir de cima, pelos que sabiam mais — um conceito familiar.”
Não parece brutal, mas é, o ataque de Judt ao dizer que Hobsbawm é “romântico”. “Romanceou bandidos rústicos, e de forma brilhante mas implausível transferiu para rebeldes do campo a autoridade moral de proletários industriais. Romanceia o Partido Comunista Italiano de Palmiro Togliatti — o que, à luz de revelações recentes, fica mal com a insistência de Hobsbawm de ‘não nos iludirmos, mesmo com as pessoas e as coisas com que mais nos importamos na vida’.”
(...)
Hobsbawm diz que “agora” é possível dizer que a orientação stalinista para que os comunistas atacassem os socialistas (e social-democratas), em 1932, “era de uma idiotice suicida”. Judt comenta: “Agora? Toda a gente a achou criminosamente estúpida na altura, e continuou a achar desde então — toda a gente, isto é, exceto os comunistas”.
Judt escreve ensaios e resenhas, com o mesmo equilíbrio e respeito, sobre Arthur Koestler, Primo Levi, Hannah Arendt, Albert Camus, Louis Althusser, Edward Said, Leszek Kolakowski (há pouco falecido). O historiador discute a queda da França (em 1940), Tony Blair, a Guerra dos Seis Dias de Israel, a crise que envolveu Kennedy, Kruschev e Cuba, Kissinger, Guerra Fria, a morte da América liberal e Europa versus América. A conclusão discute o renascimento da questão social.
Fonte: www.revistabula.com

Categories:

0 Responses

Postar um comentário

Subscribe to My Blog

Subscribe Here

Visitates online

Você é o visitante Nº.:

Visitantes de outros países

free counters