• Prof. Carlos Augusto Pereira dos Santos Possui Graduação em ESTUDOS SOCIAIS pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (1990), Mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2000) e Doutorado em História Do Norte e Nordeste do Brasil pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2008). Atualmente é Professor da UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU - UVA. Leciona as disciplinas de Historiografia Brasileira e História do Brasil I e II. É tutor do Programa de Educação Tutorial - PET HISTÓRIA/UVA. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: militancia comunista, ditadura, cotidiano, cultura e trabalhadores urbanos. conheça o grupo de pesquisa Cidade, Trabalho e Poder. Clique Aqui
Posted by Carlos Santos 0 comentários

Olá pessoal, essa eu recebi da Jane Santos lá do Ipu, historiadora, nossa ex-aluna e poeta pronta. Vale por uma aula, melhor que certos artigos prolixos que não dizem nada. Valeu Jane, continue nessa verve.


Grandes pequenos fios



A cor que eu gosto
É o ocre que se expressa
Nas pinturas e nos liames
Da humanidade.
É aquela cor característica
De um filme de época,
Da pele de Eva,
Adão a pensar.
A cor que gosto é a cor de outrora
Nas páginas da história
Que eu gosto de contar.
O preto e branco das fotografias
Das pessoas antigas,
Encantadoras de um lugar.
É a ferrugem do trem
Seu poder que ainda tem,
Por entre as matas já cortadas
Mundo afora.
Vou contar uma canção
Que o tempo não ignora,
É o canto das línguas,
É o rugir das páginas,
Das músicas urbanas,
São as cores e o som da palavra,
Das sociedades humanas.
Quero dizer que amo,
Quero dizer que busco,
Num viver confuso,
Onde o passado vale pouco,
Compreender e guardar,
Guardar e repassar
Os sentidos dos esboços quase perfeitos,
Construídos por persas, romanos e gregos,
De diversas civilizações,
Que são as nossas razões
Daquilo que somos hoje.
Então recebo das mãos de Deus
A missão de levar aos seus
Um pouco dessa história
De letras, imagens e memórias,
De povos, lugares e enfins.
Porque a cor que eu gosto é do marfim,
Aquele dos pobres elefantes,
Que levaram economias avante,
Que fizeram o escambo e seus filhos,
Porque a cor que eu gosto é o marrom,
Aquele das pinturas rupestres,
O vermelho dos índios sem vestes,
O verde das matas dos bárbaros,
Dos caçadores medievais,
O verde morada dos pássaros.
A cor que eu gosto é o branco
Das roupas simples das criadas,
Dos vestidos asseados das escravas,
Das ricas roupagens das senhoras.
O branco da Boa Nova,
Anunciada por Jesus.
Porque a cor que eu gosto é o preto
Estampado nos rostos das viúvas,
Solitárias depois das guerras
Que deprimem o ser humano.
O preto do negro escravo ou liberto,
Nas favelas do Rio ou nos guetos,
O preto bem preto dos meus sapatos,
Que percorrem os caminhos dos carros,
Que passam e voltam
E esquecem que também são fatos
Pra eu contar.

Jane Santos

Categories:

0 Responses

Postar um comentário

Subscribe to My Blog

Subscribe Here

Visitates online

Você é o visitante Nº.:

Visitantes de outros países

free counters